Com apoio da Federação Paulista da Saúde, Sindicatos vão oferecer plano de saúde com menor preço para sindicalizados

  • PDF
snap 2019-07-25 at 14.49.13
Os Sindicatos que representam os trabalhadores da Saúde no Estado de São Paulo vão, em breve, oferecer aos seus associados a opção de um plano de saúde especialmente criado para a categoria. O projeto, desenvolvido pela Federação dos Trabalhadores da Saúde do Estado de São Paulo (Federação Paulista da Saúde) faz parte de uma parceria fechada com a Alter, administradora de benefícios ligada ao plano de saúde médico/odontológico da rede São Francisco.
De acordo com o presidente da Federação Paulista da Saúde, Edison Laércio de Oliveira, a proposta foi debatida e aprovada pelos sindicatos filiados a entidade em reunião realizada no dia 19 de julho, em Jaú. A possibilidade de oferecer um plano com descontos vantajosos para sócios e dependentes deixou os sindicalistas animados.
“A parceria foi formalizada em nível federativo, mas agora a Alter vai realizar uma reunião individual com os sindicatos para colocar os pormenores do convênio e posteriormente vamos marcar a assinatura do contrato ente as entidades em cada base sindical”, destaca Edison de Oliveira.
O plano de saúde foi apresentado aos sindicalistas por Carlos Nascimento, gerente comercial da Alter, Ele explicou que os descontos devem ficar por volta de 30% em relação aos planos normalmente comercializados. Para contar com um dos planos oferecidos pelos Federação e Sindicatos da Saúde por meio da Alter, os trabalhadores deverão ser sindicalizados e estes terão várias opções a escolher, incluindo atendimento integral sem custo extra ou com complementação, conhecidos no mercado como os planos com coparticipação, quando o associado paga um valor complementar em caso de consultas e exames.“Agora quem é da área da saúde vai ter a oportunidade de usufruir de assistência médica adequada, quando o estabelecimento onde trabalha não oferecer um plano de acordo com sua necessidade, como por exemplo extensivo aos dependentes. Além disso, chegou a hora de acabar a situação na qual quem cuida da saúde de todos os demais não tem a devida assistência à própria saúde”, destaca Edison de Oliveira.